Porque faço parte da Vineyard?

*texto escrito por Dave Workman, Pastor Senior na Vineyard Cincinatti

                   "Alguns anos atrás, quando eu era um músico viajante, estávamos na estrada em todo o país e com segundo lançamento do nosso álbum(vinil, alguém?) Fizemos um show em nossa linda cidade de Cincinnati. Através de algumas circunstâncias estranhas naquela noite , acabei convidado para almoçar com alguém chamado Walt , que não só era um fã do crescente mundo “Jesus – musica” , mas tinha um motivo oculto para me convidar para uma nova igreja da qual ele fazia parte – A Vineyard.

                    Ele estava se reunido em uma casa em Ohio Mason, que parecia ser uma das regiões mais distantes para mim. Eu voltei imediatamente para a estrada novamente, mas minha esposa decidiu conhecê-la enquanto eu estava em turnê. Quando eu finalmente cheguei em casa, ela simplesmente disse : Eu acho que você vai gostar disso.

                    Então, em uma noite de domingo , em 1984, dirigimos de Norwood para uma casa em Mason. Na sala eram cerca de vinte pessoas e Steve Sjogren com uma guitarra de doze cordas. Como ele cantou algumas extremamente descontraídas e desconhecidas músicas da Califórnia (mude meu coração, oh Deus, faça-o sempre verdadeiro), Anita e eu nos encontramos, inexplicavelmente, chorando.

                   Eu não sei se eu estava queimando pela minha então jornada de dez anos no Jesus- Movement (movimento de Jesus), carismático, palavra de fé, músico viajante, mas ele golpeou com um acorde: uma adoração sem exageros, um casamento entre o evangelicalismo e o poder do Espírito Santo, e, como logo descobri, um coração voltado aos pobres.

                   Poderia uma igreja ser tão simples? Eu senti como se tivesse retornado às minhas raízes cristãs.

                   Nós nunca mais saímos. Dois anos depois, deixei a banda, encontrei um trabalho em estúdio de gravação local, e comecei a liderar a adoração como voluntário para a Vineyard Christian Fellowship, que tinha se mudado para uma sala mais espaçosa no Scarlet Oaks Escola Profissional em Cincinnati.

                   Foi a transparência, a honestidade, o convite simples de "Vem Espírito Santo", a abordagem descontraída , a falta de "ares religiosos", o alcance simples para os pobres, o “pertencimento” (pequenos grupos), a ênfase de plantação de igreja, a abordagem humilde ao orar pela cura, e estilo de adoração não manipulativo que me manteve. Foi agradável e diferente. Irreligiosos, a atitude exterior com o foco de Steve desafiou meu interior, ele me despertou.

                   E assim eu encontrei a minha tribo.

                   Conforme o passar dos anos, enquanto nós plantamos dezenas de igrejas Vineyard, direta e indiretamente, a minha compreensão do nosso lugar no movimento Vineyard era difusa. Nós nos tornamos extremamente focados, lutando para manter sete cultos cada fim de semana (para não mencionar o meio da semana!). Em um prédio que cabiam um pouco menos de seiscentas pessoas sentadas. O movimento Vineyard parecia ter lutado por várias fases diferentes, para equipar conferências para os profetas de Kansas City para a Bênção de Toronto. Às vezes parecia que estávamos um pouco avulsos.

                   Por várias razões, nós tínhamos desenvolvido o que parecia para mim, uma relação tênue com o movimento como um todo; em 2000, eu só tinha ido a uma conferência nacional de pastores nos 16 anos anteriores. De suas raízes de Anaheim, Steve obviamente tinha desenvolvido relações com os pioneiros da Vineyard. Mas devido a geografia ou personalidades ou apenas a velocidade da vida, parecia que às vezes era um vínculo estranho.

                   Naquele ano eu entrei no papel de pastor Sênior na Vineyard Cincinnati e Rich Nathan me convidou para assistir as reuniões regionais de líderes uma vez por ano em Columbus (embora eu não tivesse qualquer papel formal no movimento). A Vineyard Nacional tinha sobrevivido à morte de seu fundador, três anos antes, foi se redefinindo e na agonia de sistemas e processos de desenvolvimento.

                   Tínhamos dado muito pouco financeiramente para o movimento nacional ao longo dos anos, mas fomos sendo impulsionados para uma contribuição obrigatória de 3% da renda da igreja local para ir para Vineyard EUA. Isso foi criando um problema para muitas igrejas e o sentimento era de que andávamos em direção a uma abordagem mais institucionalizada, denominacional. Parecia que teríamos um distúrbio de ideias a caminho.

                   Mas naquele momento em que eu estava sentindo as frustrações únicas de conduzir uma mega-igreja em crescimento(leia-se: rebanho de gatos) e da tensão de tentar formar discípulos focados para fora do ambiente da igreja, deparei-me com uma simples constatação: Eu só poderia finalmente avançar com a nossa missão do Reino "amar o povo de Cincinnati a partir de um relacionamento com Jesus” se eu tivesse certa percentagem de discípulos focados na missão. E em primeiro lugar, a cultura norte americana que é voltada ao consumismo, deixar de lado o dinheiro era a coisa mais difícil.

                   Eu descobri rapidamente que as pessoas de nossa igreja que estavam mais exigentes e críticas eram tipicamente aquelas que investiram o mínimo.

                   Mas eu não era diferente em um nível global.

                   A verdade é que eu achei fácil formar opiniões no movimento Vineyard como um todo(fases, tendências, direção, etc), quando não tínhamos um envolvimento verdadeiro. Mas era a mesma coisa que me incomodou como pastor com membros não comprometidos. E Deus me “pegou” nisso.

                   Assim, anos atrás eu vim para reunião de líderes da nossa região em Colombo e me arrependi. Eu disse a eles que não tinha sido totalmente comprometido e fiquei envergonhado por isso. Eles responderam graciosamente: "Não, vocês sempre foram uma grande ajuda para muitos de nós e liderou com eficácia o evangelismo. A Vineyard Cincinnati sempre deu recursos e tempo para nós."

                   "Sim, mas em nossos termos", disse eu. “E isso não é como os relacionamentos reais funcionam. E, certamente, não como a liderança deve responder.”

                   Após conversas com o nosso conselho curador, começamos o processo de dar os três por cento. Para nós, no momento, era realmente uma decisão difícil e os cortes orçamentários exigidos em outras áreas eram da ordem de várias centenas de milhares de dólares. Mas não eram os “três por cento”, que eram a questão. Representava algo mais profundo do que isso.

                   No meu coração estava isso: eu teria dito que eu era um crente firme e respeitador de autoridade espiritual. Os melhores líderes em algum momento foram bons seguidores, há uma têmpera holística que acontece nesse processo. Eu sabia que na igreja local tinha que ter estruturas de liderança, a fim de ter um impacto focado. Eu vejo em Hebreus 13:17 - “Tenha confiança em seus líderes e submeter à sua autoridade ...”, e espera-se com relações simbióticas saudáveis na igreja local.

                   Mas eu tinha sido resistente aos líderes espirituais da tribo que eu disse que eu pertencia. Éramos uma igreja de cowboys; obstinadamente independente, sem vedação e relação.

                   Tem que haver mais do que mera identificação tribal, esta é realidade da autoridade espiritual. E não há nenhuma autoridade espiritual real sem seguidores espirituais. Foi quando eu questionei meu investimento no movimento.

                   Então, eu, pessoalmente, não sou um fã da igreja local independente. E "redes" não são a mesma coisa, porque sinceramente não há nenhum sentido real da prestação de contas para algo maior do que o seu próprio feudo. Embora não haja hierarquia avassaladora no movimento nacional Vineyard , há de capital e investimento liderança relacional suficiente que exige alguma responsabilidade submissa.

                   E para mim, eu acho que é uma tremenda salvaguarda para qualquer igreja, mesmo em uma organização com poderes de bordo interno. Se Jesus é o CEO de toda a Igreja, não deveria fazer sentido que nós aprendêssemos o poder e a beleza da submissão saudável através de relações terrenas?

                   Não me entenda mal: não conduzo a igreja com uma perspectiva empreendedora agressiva, institucionalmente pesada e com burocracias inchadas. Mas como é que nós pedimos o nosso povo para ser totalmente comprometido e ainda temos líderes de igrejas locais que são resistentes a nós mesmos? Eu admito: a tendência atual de pessoas que frequentam várias igrejas e nunca se comprometer com uma me deixa louco como um pastor: como você vai levar as pessoas com essa abordagem consumista e ter qualquer sentido verdadeiro de desafio e responsabilidade?

                   O movimento Vineyard é a minha família. Sim, aquela com o tio louco e o primo de segundo grau que faz comentários constrangedores na reunião de família. Mas é a minha família.

                   E os líderes do movimento têm o trabalho pouco invejável de tomada de decisões eclesiásticas e dando direção para um rebanho muito maior de gatos que necessitam de cuidados... e acompanhamento.

                   Esta é a minha tribo."

 

Eu também encontrei minha tribo.

Abrs.

Marco

 

Obs: em alguns trechos dessa tradução tive que usar de adaptações pelo fato do texto original conter muitas gírias norte-americanas de contexto, e exemplos culturais também.

 

Conversei com o Pastor Dave e mesmo autorizou a tradução e publicação do texto à vontade e sem restrições (essa é minha família)

Vineyard Magé - Fundada em 2002

Rua Gustavo Pinto Ferraz, 04 Nova Marília - Magé - RJ - 25902-049

cnpj - 06.880.123/0001-40

Vineyard Magé
  • Facebook - Black Circle
  • YouTube - Black Circle

"A vida é curta demais, e a aprovação do Criador do Universo é infinitamente mais valiosa do que a aprovação de qualquer outra pessoa." John Piper